Página inicial Blog Empresa Serviços Equipamentos Fotos Links Busca na Web Contato Cursos Legislação
 
                                    :::::::  Mapa do Site :::::::
Detetive Virtual - Equipamentos, curso de detetive, serviços tradicionais + digital, adultério, provas para justiça, escuta telefônica fixo e celular, espionagem, contra espionagem, escuta ambiente e veículo, varredura eletrônica anti-grampo, furto, roubo, estelionato, pessoas envolvidas com drogas, localização de pessoas bens veículos documentos, fotos e filmagens, etc...
Grampo Telefônico :     

        

Agência Spy-Center Detetives                                               

::::::::  Detetive Virtual  ::::::::

 

                                                                <<<  1 - 2 - 3 - 4 - 5  >>>

 

Microfones implantados e fitas :

Telefonia de linha convencional.

( Atenção se aparecer um aviso do Adobe Flash Player clik em OK para mostrar animações ).

Na última seção, vimos que o tipo mais simples de grampo telefônico é o telefone comum conectado aos fios do lado de fora da residência. O principal problema com este sistema é que o espião tem que ficar na escuta para ouvir as conversas. No entanto, existem vários sistemas para contornar este problema.

A solução mais simples é conectar algum tipo de gravador à linha telefônica. Funciona exatamente como sua secretária eletrônica: recebe o sinal elétrico da linha telefônica e o codifica como pulsos magnéticos em uma fita de áudio. O espião consegue fazer isso com muita simplicidade, usando um gravador comum preparado eletronicamente e alguns fios.

Para dar certo, o espião precisa de um componente eletrônico que liga o gravador somente quando a pessoa pega o telefone, pois estão adequadamente preparados para gravar somente quando o gancho for retirado do descanso. Gravadores ativados por voz, indicados para uso em reuniões, salas de aula, etc., funcionam bem em escutas telefônicas. Assim que as pessoas começam a conversar, o gravador liga; e quando o telefone é colocado no gancho, ele desliga, ou seja, somente vai utilizar espaço da memória ou fita quando o telefone for utilizado, desta forma dependendo da capacidade da memória ou fita, podem permanecer ativos na linha por muito tempo.

Desta forma, o espião terá que voltar sempre ao local para verificações. Para manter segredo, os espiões precisam de preferencia acessar a informação gravada em um local afastado.

Uma boa solução é instalar um aparelho secreto de escuta. É um dispositivo que recebe informações de áudio e as transmite pelo ar, normalmente através de ondas de rádio. Alguns destes aparelhos possuem microfones minúsculos que captam as ondas sonoras diretamente. Como em qualquer microfone, este som é representado por uma corrente elétrica. Em um aparelho secreto de escuta, a corrente corre em direção a um transmissor de rádio, que transmite um sinal que varia com a corrente. Próximo a ele, o espião instala um receptor de rádio que capta este sinal e o envia para um alto-falante ou o codifica em uma fita.

 


Este telefone possui um microfone transmissor bem pequeno (o cilindro preto com um fio espiralado na parte superior). Os fios vermelhos e pretos conectam a escuta ao circuito que passa pelo telefone. O transmissor de rádio leva o sinal da vóz presente neste telefone via sinais de onda de rádio ( sem fio ) para um receptor fm ( rádio escuta ).

 

O aparelho com um microfone consegue captar qualquer som dentro de uma sala, mesmo se a pessoa não estiver ao telefone. No entanto, o aparelho para o grampo telefônico não precisa ter seu próprio microfone, uma vez que o telefone já possui um. Caso seja conectado em qualquer ponto da linha, ele recebe a corrente elétrica diretamente. Normalmente, o espião o conecta aos fios que ficam dentro do telefone. É um esconderijo excelente, já que as pessoas raramente olham dentro do aparelho, mas se estiverem procurando por um grampo, o espião será descoberto rapidamente. ( Dispositivos transmissores podem ser colocados em qualquer ponto externo da linha )

Este é o melhor tipo de grampo para a maioria dos espiões. Estes aparelhos são tão pequenos que dificilmente são descobertos e depois de instalados o espião não precisa voltar ao local do crime para mantê-los funcionando. Todos os equipamentos mais complexos de gravação podem ser mantidos longe das linhas, em um esconderijo. Mas o receptor de rádio tem que ficar ao alcance do transmissor, por isso o espião deve encontrar um local perto da escuta. Normalmente, este local é uma van que fica estacionada do lado de fora da residência.

É lógico que ficar em uma van ouvindo as conversas telefônicas dos outros é completamente ilegal para um cidadão comum. No entanto, para o governo, a história é outra.

Grampo telefônico antes e depois.
Mesmo no início dos telefones e telégrafos, as pessoas já se preocupavam com o grampo telefônico. Em 1860, antes mesmo do telefone ter sido inventado, muitos tribunais estaduais de justiça nos Estados Unidos criaram leis proibindo qualquer pessoa de escutar comunicações por telégrafo. Em 1890, o telefone já estava sendo bastante usado, assim como o grampo telefônico. A partir daí, nos Estados Unidos, passou a ser ilegal escutar conversas telefônicas particulares de qualquer pessoa sem autorização. Na verdade, é ilegal gravar até mesmo sua própria conversa, caso a pessoa que estiver do outro lado da linha não esteja ciente.

De acordo com a história, a lei não tem sido tão rígida assim com o governo. Em 1928, o Supremo Tribunal Federal dos Estados Unidos aprovou o grampo telefônico para polícia e outras autoridades do governo; no entanto, alguns Estados proibiram. Nos anos 60 e 70, de certa forma, este poder foi reduzido. Agora a lei exige uma ordem judicial para ouvir conversas telefônicas particulares e estas informações só podem ser usadas no tribunal sob certas circunstâncias.

Além disso, só é permitido às autoridades ouvir uma ligação por um determinado período de tempo. Mesmo com todo esse controle, a prática do grampo telefônico pelo governo é bastante contraditória. Advogados defensores dos direitos do cidadão dizem que ao grampear uma linha, não é apenas a privacidade das pessoas ao telefone que está sendo invadida, mas também a privacidade de quem está sendo referido na conversa.

 

Quem está grampeando?

Existem grampeadores de todos os tamanhos e formatos. Grampeadores amadores são apenas voyeurs que se excitam quando espionam os outros. Por outro lado, a lei deve ser cumprida, a polícia e outros órgãos grampeiam linhas telefônicas para coletar informações sobre atividades criminosas. Eles podem acessar as redes telefônicas centrais e grampear facilmente as linhas sem serem descobertos. Também têm acesso a estações que transmitem sinais de telefonia celular, o que permite a escuta de meios de comunicação sem fio. Estão limitados por leis que garantem a privacidade do indivíduo, portanto, não podem sair por aí espionando qualquer pessoa, pelo menos legalmente.

O tipo mais comum de grampo telefônico profissional acontece em espionagem industrial. Muitas empresas espionam umas às outras da mesma forma que as nações quando estão em guerra. Os espiões tentam ouvir segredos industriais, planos de negócios e qualquer outra informação que possa lhes trazer alguma vantagem sobre a concorrente.

No Brasil, segundo as Leis 9.034/1995 e 10.409/2002, o uso de grampos telefônicos - sob autorização da Justiça - só é previsto para apurar crimes envolvendo organizações criminosas ou tráfico de drogas

 

Com a expansão da Internet, outras preocupações surgiram. Modems usam a linha telefônica da mesma forma que telefones tradicionais, mas em vez de transmitirem um modelo de eletricidade que representa sons, transmitem um modelo que representa bits e bytes que formam páginas da Internet e e-mail. O governo e outros podem visualizar estas informações usando "packet sniffers" (softwares que capturam tudo o que foi digitado no computador), como o Carnivore system do FBI (sistema utilizado pelo FBI para efetuar a vigilância de comunicações via Internet). Por não ser comunicação verbal, a comunicação pela Internet não é protegida pelas mesmas leis que protegem o uso dos telefones tradicionais. No entanto, em 1986, o governo americano promulgou o Electronic Communications Privacy Act (ECPA), lei que regulamenta transmissões de dados eletrônicos por computador, protegendo e-mails, pagers e conversas no telefone celular.

Muitas organizações, incluindo a American Civil Liberties Union (ACLU) - em inglês, uma organização americana de defesa dos direitos do indivíduo, acreditam que a ECPA não garante a privacidade do indivíduo como deveria. Eles declaram que a lei não é tão severa como eram as leis mais antigas. Seus principais argumentos são que as autoridades podem monitorar estas linhas de comunicação em diversas circunstâncias e que existem muitas autoridades que podem acabar aprovando o grampo telefônico. Além disso, apenas o conteúdo da comunicação pode ser protegido. O governo tem liberdade para monitorar quem está se comunicando com quem e com que freqüência.

Criptografia: as tecnologias estão ajudando a reduzir escutas telefônicas não autorizadas até certo ponto, mas à medida que a capacidade da criptografia vem se expandindo, o mesmo vem ocorrendo com as técnicas de escuta. No futuro, grampear um telefone não será mais tão fácil quanto conectar um aparelho a uma linha telefônica fora da casa de alguém, mas é quase certeza que, de um jeito ou de outro, grampos telefônicos ainda vão existir. Sempre que informações são transmitidas de um ponto a outro, existe a possibilidade de um espião interceptá-las no meio do caminho. Isto é quase inevitável em um sistema de comunicação global.

A rede telefônica: fios e cabos.

A rede telefônica começa na sua casa. Um par de fios de cobre vai de uma caixa na rua até uma caixa (normalmente chamada de ponte de entrada) na sua casa. De lá, o par de fios é conectado a cada ponto telefônico da sua casa. Se sua casa tiver duas linhas telefônicas, dois pares diferentes de fios de cobre vão ate ela.

 


 
Caixa da companhia telefônica que se vê na rua.

 

Ao longo da rua passa um grosso cabo preenchido com 100 ou mais pares de fios de cobre. Dependendo de onde você está, este cabo irá diretamente ao interruptor da companhia telefônica ou a uma caixa do tamanho de uma geladeira, que age como um concentrador digital.

 

Essa ilustração mostra a rede telefônica completa, incluindo conexões residenciais, torres de telefonia celular, centrais de comutação a longa distância e conexões transcontinentais.

 

 

Escuta telefônica, se você necessita um serviço de escuta ou grampo telefônico fixo ou celular , faça contato , dispomos de modernas técnicas e os mais atuais equipamentos para resolver o seu caso , e nem todas as situações são crime.

 

 

CONSULTE AQUI A OPERADORA DE TELEFONES FIXOS OU MÓVEIS

 

 

                                                                <<<  1 - 2 - 3 - 4 - 5  >>>

 

Retornar a serviços               Página inicial do site
 

 

         www.spy-center.com.br

         webmaster@spy-center.com.br

                           
 
Página inicial Blog Empresa Serviços Equipamentos Fotos Links Busca na Web Contato Cursos Legislação
 
                                 Copyright 1998-2010 - Spy-Center - Todos os direitos reservados - All rights reserved